SOL

A Versatilidade na Pintura -GOYA

Francisco Goya (auto-retrato)

.

Goya pintando( auto-retrato)

Goya (auto retrato )

Já surdo, (auto-retrato incompleto)

Grupo num balcão

Retrato de  família de Carlos IV

Família do Infante D.Luis

Saurno devorando o filho

O Colosso

Fiuzilamentos de 8 de Maio de 1808

Fogo nocturno

A  Inquisição

La maja vestida

O sono

La maja desnuda

Dois velhos

Crianças com uma carroça

A vindima

S.Francisco Xavier

Retrato de dona Teresa Sureda

Ataque a um comboio

As velhas

Série " desastres de guerra"

Série " desastres de guerra"



Que não quero vê-lo!

Diz tu à lua que venha,
que não quero ver o sangue
de Ignacio sobre esta areia.

Que não quero vê-lo!

A lua de par em par,
cavalo de nuvens quietas,
e a praça gris do sonho
com salgueiros nas barreiras.

Que não quero vê-lo!
Que a lembrança se me queima.
Ide avisar os jasmins
com sua alvura pequena!

Que não quero vê-lo!

A vaca do velho mundo
perpassava a triste língua
sobre um focinho de sangues
derramados sobre a areia,
e os touros de Guisando,
quase morte e quase pedra,
mugiram como dois séculos
fartos de pisar a terra.
Não.

Que não quero vê-lo!

Pelos degraus sobe Ignacio
com toda a sua morte às costas.
Buscava o amanhecer,
e o amanhecer não era.
Busca seu perfil seguro,
e o sonho desorienta-o.
Buscava seu belo corpo
e encontrou seu sangue aberto.
Não me digais que eu o veja!
Não quero sentir o jorro
cada vez com menos força;
esse jorro que ilumina
lugares da praça e se entorna
na bombazina e no couro
da multidão tão sedenta.
Quem grita que eu me debruce?
Não me digais que eu o veja!

Não se fecharam seus olhos
quando viu os cornos perto;
as mães, contudo, terríveis
levantaram a cabeça.
E houve nas ganadarias
um ar de vozes secretas
gritando a touros celestes
maiorais de débil névoa.

Não houve em Sevilha príncipe
que comparar-se-lhe possa,
nem espada como a sua,
nem coração tão deveras.

Como um rio de leões,
maravilha era sua força,
e como um torso de mármore
sua medida prudência.
Um ar de Roma andaluza
dourava a sua cabeça
onde o seu riso era um nardo
de sal e de inteligência.
Grande toureiro na praça!
Que bom serrano na serra!
Que meigo com as espigas!
Que duro com as esporas!
Que terno com o orvalho!
Que deslumbrante na feira!
Que tremendo com o último
par de bandarilhas de treva!

Porém, já dorme sem fim.
Já os musgos e a erva
abrem com dedos seguros
a flor da sua caveira.
Seu sangue já vem cantando:
cantando por prados e marismas,
resvalando em cornos quase gelo,
vacilando sem alma pela névoa,
tropeçando em milhares de cascos,
como uma longa, escura, triste língua,
para formar um charco de agonia
junto ao Guadalquivir das estrelas.

Oh branco muro de Espanha!
Oh negro touro de pena!
Oh sangue duro de Ignacio!
Oh rouxinol de suas veias!
Não!
Que não quero vê-lo!
Que não há cálice que o contenha,
que não há andorinhas que o bebam,
não há geada de luz que o arrefeça,
não há canto nem dilúvio de açucenas,
não há cristal que o cubra de prata.
Não.
Eu não quero vê-lo!!
poema de Federico García Lorca, in Llanto por Ignacio Sánchez Mejías
gravura de Francisco Goya
Procissão
Duelo
--------
Francisco de Goya

Pintor espanhol de finais do séc.18 e princípios do séc. 19.

"Nasceu em Fuentedetodos, Aragão, Espanha, em 30 de Março de 1746;
morreu em Bordéus, França, em 16 de Abril de 1828.

Filho do mestre dorador José de Goya e de Gracia Lucientes, começou os estudos em Saragoça, ensinado pelo pintor José Luzán, instruído em Nápoles, professor na Academia de Desenho de Saragoça, e foi, mais tarde, em Madrid, pupilo do pintor da corte espanhola Francisco Bayeu, tendo casado com a irmã deste em Julho de 1773.

Em 1770 foi para Itália continuar os estudos, pelos seus próprios meios, regressando no ano seguinte a Saragoça, onde foi encarregado de pintar frescos para a Catedral local. este trabalho foi executado a espaços durante os dez anos seguintes, até que se incompatibilizou com a Junta da Fábrica [da Basílica de Nossa Senhora] do Pilar.

Em 1775, tendo passado a viver em Madrid, chamado pelo seu cunhado, Francisco Bayeu, foi encarregue de pintar a primeira série de cartões, de um lote que acabaria por chegar em 1792 às 60 pinturas, para a Real Fábrica de Tapeçarias de Santa Bárbara. Neste trabalho foi dirigido pelo artista alemão Anton Raphael Mengs, um dos expoentes do Neoclassicismo, e director artístico da corte espanhola, com o título de Primeiro Pintor da Câmara.

Em 1780 foi eleito membro da Real Academia de São Fernando de Madrid, sendo admitido com um quadro intitulado «Cristo na Cruz». Em 1785 tornou-se director-adjunto de pintura da Academia e no ano seguinte foi nomeado pintor do rei Carlos III. Desta época pertencem os primeiros retratos de personagens da corte espanhola, que começaram com o quadro do Conde de Floridablanca (1783), continuando com o retrato de «Carlos III, caçador» e que terminam com os quadros oficiais do novo rei, Carlos IV, e rainha, Maria Luísa (1789). Retratos em poses convencionais, mas de uma elegância que os relaciona com os retratos de Velasquez.

Nomeado Pintor da Câmara pelo novo rei de Espanha, Goya torna-se neste período, que acabará em 1808, com a invasão francesa da Espanha, o artista mais bem sucedido de Espanha naquela época. Em 1792, viajando pela Andaluzia, sem autorização real, adoece gravemente, só se restabelecendo em Abril de 1793, ficando surdo. São desta época as pinturas de gabinete que representam cenas que representam diversões típicas, mas que terminaram em 1799 com «O Manicómio».

Dessa viagem pelo sul de Espanha nasce a amizade com a duquesa de Alba, que retratará, assim como ao seu marido, em 1795. Em 1796 e 1797 Goya visitará em estadias prolongadas a duquesa de Alba nas suas propriedades na Andaluzia, começando a produzir as gravuras em áqua-tinta a que dará o nome de «Os Caprichos», e que acabarão por constituir uma longa série de 80 gravuras. Quando as termina, em Fevereiro de 1799, coloca-as à venda na loja de perfumes por baixo da sua casa em Madrid. Mas progressivamente vai retirando-as de venda, possivelmente por se reconhecer terem referências a pessoas conhecidas.

Em 31 de Outubro de 1799 foi nomeado Primeiro Pintor da Câmara, com direito a coche. Em 1803 deu ao rei as chapas dos «Caprichos», em troca de uma pensão para o filho Francisco Xavier, nascido em Dezembro de 1784. Em 1798, começa a sua segunda época de retratos de figuras públicas, pintando o ministro Jovellanos e o embaixador francês Guillemardet, passando pelo seu famoso retrato da família real espanhola (1800-1801) e terminando nos retratos, do marquês de San Adrián (1804) e de Bartilé Sureda (1806).

Em 1808, o general Palafox chama-o a Saragoça para pintar as ruínas e episódios da defesa heróica da cidade contra os franceses. Mas em Dezembro de 1809 Goya jura fidelidade a José Bonaparte, «nomeado» rei de Espanha pelo irmão Napoleão, imperador dos franceses, recebendo em 1811 a condecoração da Ordem Real de Espanha. É desta época a realização dos «Desastres da Guerra» que se prolongarão até 1820, e que, devido ao seu estilo impressionista influenciarão pintores franceses do século XIX, como Monet.

Em 1814, começando o seu processo de «purificação» das suspeitas de colaboracionismo com o regime do «rei José», entrega os primeiros testemunhos que declaram que Goya não era afecto ao governo intruso, pintando os quadros «O Dois de Maio ou a Carga dos Mamelucos» e os «Fuzilamentos da Moncloa», para perpetuar a resistência e a luta do povo espanhol contra Napoleão Bonaparte. Em Dezembro termina o quadro equestre do general Palafox.

No ano seguinte a Inquisição abre um processo por obscenidade pela suas «Majas», mas o pintor consegue a «purificação», sendo-lhe restituído a função de Primeiro Pintor da Câmara. Pinta vários retratos de Fernando VII, após a sua restauração, evocando melhor que ninguém a personalidade cruel do rei.

Com o fim do triénio liberal (1820-1823), o falhanço de uma nova tentativa de instauração de um regime liberal em Espanha (1824), e o reacender das perseguições, pede autorização para ir para França, para as Termas de Plombières, por motivos de saúde, partindo em Maio de 1824.

Em Setembro desse ano instala-se em Bordéus, morrendo em 1828."

Fontes:

Portal da História
Enciclopédia Britânica

http://www.arqnet.pt/portal/biografias/goya.html

Direção: Carlos Saura
Espanha, 1999.

Sinopse

Aos 82 anos, Francisco de Goya (Francisco Rabal) vive no exílio, em Bordeaux, França, com a última de suas amantes, Leocadia Zorrilla de Weiss (Eulalia Ramon). O pintor reconstrói os principais acontecimentos de sua vida para sua filha caçula, Rosario (Dafne Fernandéz). Goya se lembra dos tempos em que era jovem e ambicioso e lutou para conquistar seu espaço na corte do rei Carlos IV, em meio a intrigas palacianas, seduções e mentiras. Lembra-se também de seu único amor verdadeiro, a duquesa de Alba (Maribel Verdú), cuja vida foi interrompida por uma dose de veneno.

---

Publicação: domingo, 18 de Novembro de 2007 15:01 por Jaguar

Comentários

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 15:28 por Jaguar

[youtube:e7sxnuVH8bk]

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 15:29 por Jaguar

[youtube:ob_neChpQUo]

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 15:30 por Jaguar

[youtube:bNdfelGV98M]

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 15:31 por Jaguar

[youtube:0Y4S0OKKfGo]

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 17:02 por eeu

Caramba, Jaguar, é impossível acompanhar-te ! Não páras !

Bem: Goya não é dos meus favoritos na pintura, mas gosto muito dos desenhos e gravuras dele como essas "memórias de guerra".

E acho que a Maja do filme devia ter mais carninha, para se tornar mais credível... rsss

eeu

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 17:26 por mjgs

jaguar

Eu praticamente só conhecia Goya pelos quadros de fuzilamento e da maja desnuda e despida.

E estava longe de saber daqueles desenhos a preto e branco sobre a guerra e aquelas quadros muito escuros com figuras um bocado medonhas.

um beijo

mjoao

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 17:33 por bp63

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 18:08 por Isabelmor

jaguar

Não que seja dos pintores que prefiro,mas o título que utlizaste é verdadeiro e chamativo.

Com efeito, olhando a mostra de quadros do post podemos verificar a variedade de modos e temas da sua pintura.É muito para uma épca só.

Além das gravuras e desenhos. É mesmo um artista plástico completo.

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 18:11 por Isabelmor

Da fase negra, lembro-me das bruxas  que não estão ali, mas outros lá estão e realmente , é:deixa-os estar e não venham ter comigo.

O quadro do sono( parece que deve ser apenas uma parte do quadro) , acho-o interessante, assim como os retratos.

Um beijo

Isabel

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 18:14 por Isabelmor

:)

Apreciei o conceterto de ARANJUEZ do vídeo nº 2 vídeo.Melhor não podia ser o acompanhamento.

beijo

Isabel

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:15 por Jaguar

eeu

"Goya não é dos meus favoritos na pintura, mas gosto muito dos desenhos e gravuras dele como essas "memórias de guerra".

.

.

Sabes que eu não morro pelo dito pintor, mas escolhi-o devido ao facto de ser tão multifacetado na sua pintura-acho que não conheço outro com esta característica...e não perdemos nada em sabê-lo...))

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:17 por Jaguar

eeu

"E acho que a Maja do filme devia ter mais carninha, para se tornar mais credível... rsss"

.

pois:)

e se fosse um filme por exemplo sobre Renoir, onde se ia uscar uma giraça cvom pernas e o resto demasiado cheiinho...isto é...baloufo??

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:20 por Jaguar

mjoao( mjgs)

"Eu praticamente só conhecia Goya pelos quadros de fuzilamento e da maja desnuda e despida.

E estava longe de saber daqueles desenhos a preto e branco sobre a guerra e aquelas quadros muito escuros com figuras um bocado medonhas."

----

1--Tenho a noção que muita gente conhece Goya apenas pelos quadros que apontaste, pelo que não tens que te substimar..:))))

2--pois, a fase escura é mais difícil de " engolir".....((  ou ....))

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:21 por Jaguar

bp63

Ora nem mais.

Vou já lá acima colocá-la...

grato pela atenção)

jaguar

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:23 por Jaguar

Isabel

"Com efeito, olhando a mostra de quadros do post podemos verificar a variedade de modos e temas da sua pintura.É muito para uma época só."

.

Olha ...acabei agora de falar nisso....fo devidio a´dversidade de estilos utilizados na pintura  que o escolhi....:)

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:25 por Jaguar

"Além das gravuras e desenhos. É mesmo um artista plástico completo."

.

Sem dúvida....mas parece que muitos dos pintores utilizavam  e utilizam várias técnicas para dar a conhecer a sua arte..)

beijo

jaguar

.

p.

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:27 por Jaguar

"Da fase negra, lembro-me das bruxas  que não estão ali, mas outros lá estão e realmente , é:deixa-os estar e não venham ter comigo.

O quadro do sono( parece que deve ser apenas uma parte do quadro) , acho-o interessante, assim como os retratos.2

--

olha, vou ser franco--havia sim, quadros das feiticeiras, mas tão escuro que eaté era difícil defenir a cara delas..Talvez fosse esse mesmo o objevtivo do autor, mas achei aquilo muito sem graça...((

beijo

jaguar

.

p.

# re: A Versatilidade na pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 19:29 por Jaguar

Isabel

"Apreciei o conceterto de ARANJUEZ do vídeo nº 2 vídeo.Melhor não podia ser o acompanhamento."

.

.

Ainda bem que chamaste a atenção par esse facto)

O pessoal que vier ver, pode regalar-se a ovir esa música tão linda...

beijo

jaguar

.

p.

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 20:10 por avomilu

Jaguar

Querido amigo, tu és mesmo grande, como os teus posts, são sempre uma maravilha, Goya é um grande pintor, mas não o meu preferido, conheço bem a pintura dele, pois quando estava em belas artes tinhamos que ler e ver os grandes pintores.

Obrigada por rever todas estas pinturas,.

Beijo da amiga milu

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 22:50 por ArturSilvm

jaguzas

Não saía daqui para ir ver o GOYA, mas assim , sem sair de casa, tasse certo. Aquela maja, com roupa e sem ela tem pinta.

Das tuas razões para a escolha do pintor, já vi-acho que são válidas, sim senhor.

um abraço

Artur

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 22:50 por ArturSilvm

jaguzas

Não saía daqui para ir ver o GOYA, mas assim , sem sair de casa, tasse certo. Aquela maja, com roupa e sem ela tem pinta.

Das tuas razões para a escolha do pintor, já vi-acho que são válidas, sim senhor.

um abraço

Artur

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 22:51 por Meduarda

Jaguar

Goya tinha sem dúvida uma versatilidade e uma sensibilidade demonstrando o real, fitcício e uma sociedade cruel. Admiro todos os quadros, mas em especial "os velhos".É de um realismo social para qualquer época

mais uma vez, parabéns por este grandioso post

bjs

Meduarda

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

domingo, 18 de Novembro de 2007 23:55 por Melita

Jaguar,

Uma obra notável.

A sorte que Goya teve no processo da inquisição pelas  "Majas", devia ter-lhes chamado depois as "aNJAS". Acabou tudo bem e ainda lhe deram a "PURIFICAÇÃO" e o emprego rs

e ele "deixou-nos" estas obras de VER e REVER

Votos de uma boa semana

Um beijo

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 0:16 por Atena

Jaguar

Goya tornou-se influente por pintar o feio e não apenas o belo.

Quando testemunhou os horrores da guerra civil espanhola,ganhou uma perspectiva diferente da vida,passou a ver o mundo de um modo áspero, rude e até mesmo negro.Começou a pintar a violência e a dor...

Um beijo com um vídeo de presente pelo post:

[YouTube:8g-J3PuC1CI]

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 0:21 por Aserrao

Atena fala bem.

Quem andou na gueera e viu míserias, não pode ter alma para pintar a beleza.

Os velhos ? Gostei;lembrou-me os "comedores de batatas" naquele quadro escuro de Van Gogh.

A.Serrao

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:06 por Jaguar

Minha querida amiga Milu

.

"Goya é um grande pintor, mas não o meu preferido, conheço bem a pintura dele, pois quando estava em belas artes tinhamos que ler e ver os grandes pintores."

.

Também, como já tenho veindo a referir , não "morro d'amores" pela obra do pintor que escolhi desta vez.Fi-lo, como também acentuei, para mostrar a varedade de estilos que utilizou na sua pintura.

Um grande beijo de amizade

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:09 por Jaguar

Artur

.

"Não saía daqui para ir ver o GOYA, mas assim , sem sair de casa, tasse certo. Aquela maja, com roupa e sem ela tem pinta.

Das tuas razões para a escolha do pintor, já vi-acho que são válidas, sim senhor."

.

1--ah...mas da maja, hein??:::))))

2--claro que entendes as ditas razões. Tinha que fazer um post sobre GOYA.

.

Um abraço

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:11 por Jaguar

Meduarda

"Goya tinha sem dúvida uma versatilidade e uma sensibilidade demonstrando o real, fitcício e uma sociedade cruel...."

Com tanta crueldade a´sua volta e ele nela, dela sendo vítima também, tinha forçosamente de essa realidade se reflectir na sua obra..

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:12 por Jaguar

" Admiro todos os quadros, mas em especial "os velhos".É de um realismo social para qualquer época"

.

.

Escuro, triste, vida parca em alimentação e outras necessidades primárias, é sim um quadro bem realista. O escuro acentua a tristeza da vida.

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:15 por Jaguar

Melita

Linda

Na altura, nus, nus , só deuses poderaim ser objecto dessa situação . A igreja apenas estes tolerava.Fora da mitilogia, era pecado, afronta contra a purificação....))

Mas uma mulher nua do tempo de GOYA, é obra...)))

um beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:18 por Jaguar

Atena

.

"Goya tornou-se influente por pintar o feio e não apenas o belo.

Quando testemunhou os horrores da guerra civil espanhola,ganhou uma perspectiva diferente da vida,passou a ver o mundo de um modo áspero, rude e até mesmo negro.Começou a pintar a violência e a dor..."

.

.

Realismo..nada de imaginação....memórias sim...para que os vindouros saibam o que foi a vida naquele seu tempo...Fica o testemunho:

:)

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:24 por Jaguar

Atena

comovido fiquei--estive a ouvir neste momento, com o védeo que aqui deixou-a maravilhoasa e potente voz dum grande sen hor da música lírioca. Pácido Domingo, numa canção dedicada a Francisco Goya.

:))um beijinho grande

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:27 por Jaguar

Aserrao

"

Atena fala bem.

Quem andou na gueera e viu míserias, não pode ter alma para pintar a beleza."

Pensamentos semelhantes e cheios e sabedoria...)

saudações

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 12:30 por Jaguar

Aserrao

.

"Os velhos ? Gostei;lembrou-me os "comedores de batatas" naquele quadro escuro de Van Gogh."

.

meu caro:

Sabe que embora mais triste,lembra-me também "os comedores de batatas" de Van Gogh, que neste ainda há uma leve luz artificial no rosto pintados....

saudações

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 15:05 por mariacidalia

jaguar

Parece que háaqui tudo oomo na farmácia,isto é, pintura para todos os gostos.

Eu alinho pelo retrato de uma dona Tereza que está ali sentada.

Fez-me muita impressão o deus Saturno a comer o próprio filho.

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 15:07 por mariacidalia

Os desenhos das cenas bábaras da guerra também são impressionantes, mas não me causam o asco do quadro do deus a meter o filho na boca.

E daquelas pinturas escuras não gostei muito,  porque me angustiam.

um beijo

mariacidalia

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 16:20 por chabeli

Excelente.

Repito excelente post.

Adoro pintura. A  de Goya,então, mora dentro de mim. Não é por acaso que a minha a"foto" é a Maja de Goya.

Sempre que posso vou ao Prado ver o que encontro de "novo" na sua pintura nos seus "fantasmas".

Recomendo o filme. Por tudo. Gostei muito.

Goya foi um "corajoso". Foi capaz de pintar para a tela os "horrores" da Inquisição bem como da guerra, só por isso tem o meu eterno reconhecimento.

Registe-se,ainda, que de pintor da corte, protegido, foi capaz de denunciar as mazelas da sociedade.

Teve um percurso acidentado, mas nem por isso deixou de ser brilhante e geneial.

Bem haja pela escolha.

Abraço

Chábeli

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:23 por contracorrente

Gosto muito da pintura de Goya. Tive a sorte de ver grande parte destes quadros este ano no Museu do Prado.

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:47 por Jaguar

mariacidalia

.

"Parece que háaqui tudo oomo na farmácia,isto é, pintura para todos os gostos.

..

Verdade, sim linda...

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:47 por Jaguar

mariacidalia

.

"Parece que háaqui tudo oomo na farmácia,isto é, pintura para todos os gostos.

..

Verdade, sim linda...

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:47 por Jaguar

mariacidalia

.

"Parece que háaqui tudo oomo na farmácia,isto é, pintura para todos os gostos.

..

Verdade, sim linda...

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:48 por Jaguar

mariacidalia

.

Parece que háaqui tudo oomo na farmácia,isto é, pintura para todos os gostos.

--

verdade, linda:

Goya passou por muitos estilos de pintura...)

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:49 por Jaguar

.

"Eu alinho pelo retrato de uma dona Tereza que está ali sentada.

Fez-me muita impressão o deus Saturno a comer o próprio filho"

--

:)) gostas da harmonia, já reparei....

e...aquele deusa comer  a cria é repugnante, sim...

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:51 por Jaguar

chabeli

é verdade......o teu avatr é a maja...))

"Goya foi um "corajoso". Foi capaz de pintar para a tela os "horrores" da Inquisição bem como da guerra, só por isso tem o meu eterno reconhecimento.

Registe-se,ainda, que de pintor da corte, protegido, foi capaz de denunciar as mazelas da sociedade."

.

Quem passa por faqses tão duras e cruéis como o que sucedeu com ele, como não ter coragem para pôr na tela o que viu?

beijo

jaguar

# re: A Versatilidade na Pintura -GOYA

segunda-feira, 19 de Novembro de 2007 20:53 por Jaguar

Santana-Maia( contracorrente)

"Gosto muito da pintura de Goya. Tive a sorte de ver grande parte destes quadros este ano no Museu do Prado."

.

reviu pois o que por lá andou a admirar...)

com estima

jaguar

Para comentar necessita de estar registado